Sincofarma SP

Pesquisar
Close this search box.

Associado

Menu

 
 

ASSOCIE-SE:

Alta dos medicamentos sai em março e deve ter impacto direto na inflação

Compartilhe:

Facebook
LinkedIn
WhatsApp

2017-02-24 19:05:05

 

Medicamentos devem subir 3,4% neste ano, segundo levantamento da Associação Brasileira da Indústria Farmacêutica.

Os cálculos ainda não estão fechados porque foram feitos com base na previsão de inflação do mês de fevereiro.

O reajuste deve valer para as três classes de produtos: remédios produzidos num mercado concentrado, feitos em ambiente de média concorrência e os que possuem alta competição.

Segundo a Interfarma, o aumento deve variar entre 1,63% e 5%, o que daria a média de 3,5%.

O preço dos medicamentos é controlado pelo Governo e a correção deve ser anunciada oficialmente no mês de março.

O economista do Instituto Brasileiro de Economia da FGV, André Braz, disse que o reajuste deverá ter impacto principalmente na inflação dos mais velhos. “Não é um impacto desprezível, porque o medicamento pesa muito na conta dos idosos”, disse.

André Braz acrescentou que apesar do peso, o aumento vai ficar abaixo da inflação para o período.

No ano passado, o reajuste autorizado pelo Governo foi de 12,5%, acima do IPCA que ficou em 10,36%.

Dia das Doenças Raras será no próximo dia 28 de fevereiro

Na próxima terça-feira, dia 28 de fevereiro, será lembrando o Dia das Doenças Raras. O vídeo oficial produzido pela EURORDIS, aliança não-governamental centrada nos doentes, constituída por associações de doentes e por indivíduos com atividade no campo das doenças raras, que se dedica a melhorar a qualidade de vida de todas as pessoas que vivem com doenças raras na Europa, está disponível em mais de 30 línguas.

O tema do Dia das Doenças Raras de 2017 é a investigação e com o slogan “Com a investigação, as possibilidades não têm limites”. Já imaginou como seria viver sem respostas para as perguntas mais básicas? Esta é a realidade para muitas pessoas com doenças raras. Frequentemente as pessoas com doenças raras necessitarem de respostas sobre as suas doenças e não as conseguirem obter, sobretudo por falta de investigação na área.

Para ilustrar esta frustração, o vídeo deste ano faz o paralelo com a rotina que muitos dos pacientes têm de cumprir várias vezes ao dia – a procura de respostas na Internet. O vídeo mostra bem como é frustrante procurar na Internet e receber a resposta “não foram encontrados resultados para a sua pesquisa”.