Sincofarma SP

Pesquisar
Close this search box.

Acessar

Menu

 
 

ASSOCIE-SE:

SECRETARIA DA SAÚDE RECEBE SINCOFARMA/SP PARA FALAR DO PROGRAMA REMÉDIO RÁPIDO

Compartilhe:

Facebook
LinkedIn
WhatsApp

2017-03-13 15:03:47

 

O Sincofarma/SP, através do intermédio da Fecomercio SP, participou de uma reunião com a Secretária da Saúde para tratar do Programa Remédio Rápido da Prefeitura de São Paulo.

Na última quinta-feira(09/03), o SINCOFARMA/SP, em conjunto com a FECOMÉRCIO/SP, participou de uma reunião na Secretaria Municipal da Saúde, para tratar do Programa da Prefeitura de São Paulo, denominado Remédio Rápido.

Para representar a Secretária de Saúde, o chefe de Gabinete da Secretaria, Daniel Simões Costa, foi quem conduziu a reunião para falar do projeto. O chefe do gabinete garantiu a possibilidade de participação de todas as Farmácias e Drogarias, independente do porte econômico.

Na reunião também foi informado que, o formato do programa ainda não está definido, e convidou o SINCOFARMA/SP para participar das etapas de discussão do projeto, dessa forma, o Sindicato terá presença garantida na elaboração do referido programa.

Com a participação mais ativa no projeto, o Sincofarma/SP conseguirá manter os  empresários do varejo farmacêutico mais informados sobre o andamento dos trabalhos, bem como, receber as sugestões dos nossos associados, para defender um posicionamento de igualdade de direitos para a categoria e equilíbrio nos critérios do programa Remédio Rápido.

Dessa forma estaremos colaborando com o objetivo da Prefeitura de São Paulo, que é o de melhorar o acesso da população aos medicamentos necessários à manutenção da saúde.

PROGRAMA REMÉDIO MAIS RÁPIDO

Daniel Costa colocou que o grande problema é o reabastecimento ineficiente nas UBS, que hoje somam aproximadamente 720 postos de entregas de medicamentos na cidade de São Paulo.

O programa, devido a sua complexidade e importância, ainda não está finalizado e estão definindo como será o processo e logística, inclusive, ainda estão resolvendo se comprarão direto das indústrias, distribuidoras ou varejo.

A Secretária de Saúde informou: pretendem definir um preço a ser pago por unidade posológica e oferecer ao mercado para verificar as empresas interessadas em fornecer pelo valor estipulado pela Prefeitura.

O Sincofarma/SP recebeu informações que, as farmácias ou drogarias, independente do porte da empresa, poderá participar. A Prefeitura poderá dar o suporte necessário para as micros e pequenas empresas que se manifestarem interesse ao projeto.

Atualmente, a prefeitura gasta entre 250 a 400 milhões de reais por ano para colocar esses medicamentos a disposição dos pacientes.