Sincofarma SP

Pesquisar
Close this search box.

Associado

Menu

 
 

ASSOCIE-SE:

MP e MPF ajuízam ação contra Caraguatatuba para fornecimento de remédios essenciais

Remédios essenciais

Compartilhe:

Facebook
LinkedIn
WhatsApp

Na ação, além de pedir a regularização do fornecimento dos medicamentos, os órgãos solicitaram que a Justiça Federal condene o município ao pagamento de uma indenização de R$ 10 milhões por dano moral coletivo.

 

O Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP) ajuizaram ação civil pública neste mês, para que Caraguatatuba (SP) regularize o fornecimento de medicamentos essenciais. Na ação, os órgãos solicitam ainda que o município pague uma indenização de R$ 10 milhões por dano moral coletivo.

 

Leia também: Aprovado projeto de lei que inclui o farmacêutico como RT de serviços de vacinação

 

Segundo o MPF, os órgão ingressaram com a ação na Justiça após receberem diversas denúncias de moradores sobre a falta de medicações básicas na cidade, sem estoque de remédios listados na Relação Municipal de Medicamentos Essenciais (Remume).

 

O Ministério Público instaurou inquérito civil em setembro de 2021 diante das denúncias e na época foi constatado que a cidade não possuía em estoque cerca de 26 tipos de medicamentos listados na Remume.

 

Após denúncias chegarem também ao MPF, o órgão instaurou procedimento para acompanhar e fiscalizar as providências tomadas pela Secretaria Municipal de Saúde de Caraguatatuba para regularização no fornecimento de medicamentos na rede pública do município.

 

Ainda segundo o MPF, em novembro de 2022 a prefeitura informou que havia normalizado o fornecimento de 17 medicamentos, mas ainda persistia a falta de medicamentos como azitromicina, ibuprofeno, sustrate, paroxetina, nimesulida e sertralina.

 

Já em março deste ano, o município encaminhou a relação dos estoques, demonstrando que 69 medicamentos estavam em falta, dos quais 18 não tinham prazo previsto para regularização.

 

O MPF alega que quando questionado sobre o orçamento municipal da saúde, incluindo os recursos federais e estaduais, e sobre a média de consumo mensal dos medicamentos essenciais, o município não enviou resposta.

 

MP e MPF ajuízam ação civil pública contra Caraguatatuba para fornecimento de remédios essenciais. — Foto: Claudio Fachel/Palácio Piratini

 

MP e MPF ajuízam ação civil pública contra Caraguatatuba para fornecimento de remédios essenciais. — Foto: Claudio Fachel/Palácio Piratini

 

Ação contra a prefeitura

Na ação, o MPF e o MP argumentam que o poder público deve fornecer os medicamentos essenciais, necessários ao atendimento básico da população, e tem a obrigação de manter os estoques em níveis condizentes com seu consumo médio.

 

Por isso, os órgãos solicitaram que a prefeitura apresente, no prazo de 30 dias, a média mensal do consumo dos medicamentos listados no Remume, considerando os últimos cinco anos, sob pena de multa diária de R$ 500 por medicamento não indicado constante da lista.

 

Além disso, as instituições solicitaram que a prefeitura mantenha, no prazo de 60 dias, os estoques municipais condizentes com a média de consumo apresentada, sob pena de multa diária de R$ 500 por medicamento constante da lista, mas não estocado.

 

Por fim, na ação assinada em em 7 de junho, a procuradora da República Maria Rezende Capucci e o promotor de Justiça Valério Moreira de Santana, reivindicaram que a Justiça Federal condene a prefeitura de Caraguatatuba ao pagamento de R$ 10 milhões em indenização por dano moral coletivo.

 

A indenização pedida pelos órgãos é por considerar que “houve grave ofensa ao direito à saúde, a essencialidade do fornecimento de medicamentos básicos, os impactos negativos à municipalidade decorrentes do não fornecimento de medicamentos, o orçamento municipal e a densidade populacional”.

 

Remédios essenciais
Remédios essenciais

 

O que diz a prefeitura

Por meio de nota, a Secretaria de Saúde de Caraguatatuba informou que apenas neste ano mais de R$ 7 milhões foram investidos em compra emergencial para suprir a demanda de medicamentos e insumos.

 

A administração reforçou que Caraguatatuba registrou um aumento da demanda de novos pacientes na rede municipal, reflexo pós-pandemia e consequentemente a busca por medicamentos.

 

Por fim, a prefeitura destacou que já existe um novo pregão em andamento, para compra de todos os medicamentos que compõem a Relação Municipal de Medicamentos (REMUME) que ultrapassa 200 unidades.

 

Veja a nota da prefeitura na íntegra:

A Secretaria de Saúde de Caraguatatuba informa que apenas neste ano mais de R$ 7 milhões foram investidos em compra emergencial para suprir a demanda de medicamentos e insumos.

 

Caraguatatuba ainda registrou um aumento da demanda de novos pacientes na rede municipal, reflexo pós-pandemia e consequentemente a busca por medicamentos, uma vez que Caraguatatuba oferece os remédios nas unidades básicas de saúde, e também nas três Unidades de Pronto Atendimento (UPA) do Centro, Sul e Norte, onde atende casos de urgência e emergência, ou seja, o paciente é atendido em casos de gravidade e já retira o medicamento na própria UPA.

 

As três UPA’s registraram apenas no primeiro quadrimestre deste ano, mais de 250 mil atendimentos.

A Prefeitura destaca que já existe um novo pregão em andamento, para compra de todos os medicamentos que compõe a Relação Municipal de Medicamentos (REMUME) que ultrapassa 200 unidades.

 

 

Foto: Reprodução
Fonte: G1