Sincofarma SP

Pesquisar
Close this search box.

Associado

Menu

 
 

ASSOCIE-SE:

CFF traz informações sobre a Pílula do Dia Seguinte

Pílula do Dia Seguinte

Compartilhe:

Facebook
LinkedIn
WhatsApp

O Centro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim/CFF) preparou um material respondendo as principais perguntas sobre o tema. Confira: 

 

O que é a pílula do dia seguinte? Quais os hormônios em sua composição?

Contraceptivo de emergência, popularmente conhecido como pílula do dia seguinte, é um método que se distingue dos demais anticoncepcionais uma vez que este é utilizado após o ato sexual, sem proteção ou com baixa proteção, enquanto os demais previnem a concepção antes e durante as relações sexuais.

 

Destacamos que os contraceptivos de emergência agem antes da fecundação do espermatozoide no óvulo, sendo assim, sua ação não interrompe uma eventual gravidez.

 

Leia também: Medicamentos falsificados têm nova onda de apreensões

 

Atualmente, existem vários produtos que atuam como contraceptivo de emergência, dos quais, dois estão disponíveis pelo SUS:

 

– Método Yuzpe – consiste em tomar duas doses da combinação contendo 500 microgramas (mcg) de levonorgestrel + 100 microgramas (mcg) de etinilestradiol, com intervalo de 12 horas entre elas. Este tratamento deve ser concluído em até 72 horas após a relação sexual desprotegida. Esta opção está disponível no SUS.

 

– Levonorgestrel – consiste em tomar uma dose de 1,5 miligrama (mg) de levonorgestrel (um comprimido de 1,5 mg ou dois comprimidos de 0,75 mg), em dose única; alternativamente, pode-se tomar duas doses de 0,75 mg de levonorgestrel, com intervalo de 12 horas entre elas. Este tratamento deve ser feito até cinco dias após a relação sexual desprotegida, mas a eficácia é maior quanto antes for utilizado. Esta opção está disponível no SUS.

 

– Dispositivo intrauterino (DIU) de cobre – o DIU de cobre pode ser usado como contraceptivo de emergência e deve ser inserido em até cinco dias após a relação desprotegida ou ovulação, fornecendo proteção por até 10 anos da sua inserção. Esse método é particularmente adequado para mulheres que desejam começar a usar um método anticoncepcional de ação prolongada, reversível e altamente eficaz.

Se inserido dentro de 120 horas após a relação sexual desprotegida, o DIU de cobre tem eficácia superior a 99% na prevenção da gravidez. É o método mais eficaz de contracepção de emergência disponível. Uma vez inserido, a mulher pode continuar a usá-lo como um método regular de contracepção ou decidir mudar para outro método.

 

A pílula do dia seguinte realmente funciona? Como ela age para evitar a gravidez?

Os contraceptivos de emergência podem prevenir mais de 95% das gravidezes quando utilizados dentro dos cinco dias após relação sexual desprotegida.

 

Os contraceptivos de emergência atuam evitando ou atrasando a ovulação, impedindo a fecundação. A geração de um embrião só ocorre aproximadamente 120 horas após a relação sexual e os contraceptivos de emergência são mais efetivos quando tomados em até 72 horas após o coito, com maior efetividade nas primeiras 12 horas.

 

Os DIU de cobre impedem a fertilização causando uma alteração química no espermatozoide e no óvulo antes que eles possam se unir. A contracepção de emergência não pode interromper uma gravidez já estabelecida nem prejudicar o embrião em desenvolvimento.

 

Eu deveria usar a pílula do dia seguinte se já uso outro método contraceptivo?

Os métodos anticoncepcionais de uso contínuo (oral e injetável) são seguros e eficazes desde que bem utilizados, seguindo as recomendações do fabricante. Em caso de falha no uso, como o esquecimento de uma ou mais doses, recomenda-se o emprego de método alternativo, como o condom ou o contraceptivo de emergência, para evitar uma gravidez indesejada.

 

Vale ressaltar que os contraceptivos de emergência devem ser empregados de modo ocasional, pois os métodos contraceptivos de uso contínuo são mais efetivos.

 


Pílula do Dia Seguinte

 

O que pode acontecer se eu tomar a pílula do dia seguinte associada à pílula anticoncepcional de uso contínuo? Quais efeitos podem ocorrer?

Os efeitos adversos do uso de contraceptivos de emergência são semelhantes aos das pílulas anticoncepcionais de uso contínuo, ou seja, náuseas e vômitos, sangramento vaginal irregular e fadiga.

 

Quando os diferentes métodos são usados isoladamente, os efeitos adversos são pouco frequentes, brandos e, em geral, desaparecem sem a necessidade de qualquer outra medicação. Quando associados, pode ocorrer um aumento dos efeitos adversos já mencionados, além de dores de cabeça, dor nas mamas e vertigem.

 

levonorgestrel é considerado o mais efetivo entre os contraceptivos de emergência, porém, ressalta-se que quando é utilizado com frequência, ou sem a devida orientação, pode provocar problemas à saúde da mulher em razão da elevada dose hormonal. O uso frequente da contracepção de emergência pode resultar em uma intensificação dos efeitos adversos, como irregularidades menstruais.

 

Essa associação pode acabar com o efeito do anticoncepcional oral?

O ciclo menstrual pode ser alterado pelo uso da contracepção de emergência, por isso, até que haja regularização do ciclo com a continuidade do contraceptivo regular, recomenda-se o uso associado de condom. Recomenda-se aguardar a próxima menstruação para iniciar o anticoncepcional hormonal de uso contínuo, oral ou injetável, ou ainda DIU, segundo a preferência da mulher.

 

Ao fornecer informações sobre o uso de pílulas anticoncepcionais de emergência deve-se aumentar a conscientização sobre os métodos anticoncepcionais regulares disponíveis e oferecer orientação sobre como usar os diferentes métodos corretamente em caso de falha percebida do método.

 

E quais são as consequências para o ciclo menstrual? Por quanto tempo ele pode ficar alterado?

A maioria das usuárias do contraceptivo de emergência experimenta pouca ou nenhuma alteração significativa no ciclo menstrual e é importante que se esclareça que ela não provoca sangramento imediato após o seu uso.

 

A Organização Mundial da Saúde afirma que 57% das mulheres que usam o contraceptivo de emergência terão a menstruação seguinte ocorrendo dentro do período esperado, sem atrasos ou antecipações. Em 15% dos casos, a menstruação poderá atrasar até sete dias e, em outros 13%, pouco mais de sete dias. A antecipação da menstruação, menor que sete dias, ocorre em apenas 15% dos casos.

 

Essas alterações são autolimitadas, têm remissão espontânea e, geralmente, são bem toleradas pela mulher. No entanto, o uso repetitivo ou frequente do contraceptivo de emergência pode acentuar esses transtornos menstruais e dificultar o reconhecimento das fases do ciclo e do período de fertilidade.

 

E se eu tomo a pílula oral, mas não regularmente (pulo dias, erro horário e etc.), devo tomar a pílula do dia seguinte após relação desprotegida? Ou isso ainda pode causar problemas? Já respondido.

 

Os métodos anticoncepcionais de uso contínuo são seguros e efetivos desde que bem utilizados, seguindo as recomendações do fabricante. Em caso de falha no uso, recomenda-se o emprego de condom para prevenir uma gravidez indesejada, ou, se já tiver ocorrido a relação sexual desprotegida, recomenda-se o uso de um contraceptivo de emergência.

 

Vale ressaltar que os contraceptivos de emergência devem ser empregados de modo ocasional, pois existem outros métodos contraceptivos mais eficazes para uso contínuo.

 

E quando a pessoa já usa anticoncepcional injetável, pode tomar pílula do dia seguinte em situação de emergência? O que pode acontecer?

Se o uso de anticoncepcional injetável ocorre de forma adequada não existe necessidade do contraceptivo de emergência. Eventos adversos podem ocorrer em razão da sobredose hormonal.

 

Se eu tenho DIU hormonal, devo recorrer à pílula do dia seguinte após relação desprotegida?

Não, pois o DIU é suficiente como método contraceptivo.

 

O que pode acontecer ao associar ambos?

Eventos adversos podem ocorrer em razão da sobredose hormonal. Os critérios de elegibilidade para o uso geral do DIU de cobre também se aplicam aos DIUs de cobre usados em emergências. Mulheres com certas condições clínicas, como por exemplo, infecção devido à doença inflamatória pélvica, sepse puerperal, sangramento vaginal inexplicável, câncer cervical ou trombocitopenia grave, não devem usar o DIU de cobre como contraceptivo de emergência.

 

E se eu uso DIU de cobre ou de prata, pode acontecer algo se eu tomar uma pílula do dia seguinte?

Eventos adversos podem ocorrer.

 

Quais, então, são as situações em que devo recorrer à pílula do dia seguinte?

Entre as principais indicações está a relação sexual sem uso de método anticoncepcional contínuo, falha conhecida ou presumida do método em uso de rotina, uso inadequado de anticoncepção e abuso sexual.

 

É importante salientar que os métodos contraceptivos hormonais, de uso contínuo ou de emergência, não protegem os parceiros sexuais de infecções sexualmente transmissíveis, motivo pelo qual o uso de condom merece destaque como método contraceptivo.

 

O uso repetido da pílula do dia seguinte indica a necessidade de aconselhamento sobre as opções de métodos contraceptivos disponíveis, os quais são mais efetivos, até porque, a segurança do uso recorrente da pílula do dia seguinte não foi estabelecida. Embora o risco do uso repetido pareça ser baixo, mesmo quando tomado no mesmo ciclo menstrual, deve ser considerada a possibilidade de aumento de efeitos adversos.

 

 

Foto: Reprodução
Fonte: CFF
Pílula do Dia Seguinte