Sincofarma SP

Pesquisar
Close this search box.

Associado

Menu

 
 

ASSOCIE-SE:

Três vacinas de rotina reduzem o risco de Alzheimer, diz estudo

Compartilhe:

Facebook
LinkedIn
WhatsApp

Curso Atendimento ao Idoso – Alzhmeiher para capacitar os profissionais das farmácias. Inscrições abertas no Sincofarma, inscreva-se

 

Entenda mais sobre as vacinas de rotina que podem ajudar a diminuir o risco de Alzheimer

Tomar as vacinas de rotina é o procedimento recomendado para todas as idades, pois é a melhor maneira de se proteger de uma variedade de doenças graves e de suas possíveis complicações. No caso de idosos, três imunizantes podem reduzir o risco do desenvolvimento do Alzheimer em até 30%, como mostram pesquisadores da UTHealth Houston, nos Estados Unidos, em um novo estudo.

 

Quais são as vacinas?

A descoberta, publicada na revista científica Journal of Alzheimer’s Disease, é que um dos efeitos indiretos das vacinas contra tétano, difteria e coqueluche (Tdap) ou vacina contra tétano e difteria (Td); contra herpes-zóster (HZ) e a pneumocócica (contra infecções bacterianas causadas pelos pneumococos, como a pneumonia) é a diminuição do risco para o Alzheimer.

— Nós e outros levantamos a hipótese de que o sistema imunológico é responsável por causar a disfunção das células cerebrais na doença de Alzheimer. As descobertas nos sugerem que a vacinação está tendo um efeito mais geral no sistema imunológico, reduzindo o risco de desenvolver a doença de Alzheimer — pontua o co-autor do artigo, Paul E. Schulz, professor de neurologia na McGovern Medical School.

Os pesquisadores apontaram que pacientes vacinados com a Tdap ou a Td tiveram uma probabilidade 30% menor de desenvolver a doença de Alzheimer após os 65 anos, 7,2% dos pacientes vacinados versus 10,2% dos pacientes não vacinados desenvolveram a doença.

Além disso, a imunização contra HZ foi associada a um risco reduzido de 25% de desenvolver a doença de Alzheimer (na mesma faixa etária), com 8,1% dos pacientes vacinados versus 10,7% dos pacientes não vacinados. Já na vacina pneumocócica, foi observado que houve uma redução de 27% no risco, com 7,92% dos pacientes vacinados versus 10,9% dos não vacinados.

Há um ano a mesma equipe descobriu que as pessoas que receberam pelo menos uma vacina contra influenza, a gripe comum, tinham 40% menos chances da doença aparecer a partir dos 65 anos.

 

Como elas protegem contra o Alzheimer?

O estudo não chegou à uma conclusão sobre o motivo principal para o efeito de “proteção”, pois suas funções estão relacionadas a preparar o sistema imunológico contra microrganismos. Mas, como explica um dos cientistas, eles acreditam que se deva a uma combinação de mecanismos.

— As vacinas podem mudar a forma como o sistema imunológico responde ao acúmulo de proteínas tóxicas que contribuem para a doença de Alzheimer, como aumentando a eficiência das células imunológicas na eliminação das proteínas tóxicas ou ‘aprimorando’ a resposta imune a essas proteínas para que ‘danos colaterais’ às células cerebrais saudáveis próximas são diminuídos. Claro, essas vacinas protegem contra infecções como herpes-zóster, que podem contribuir para a neuroinflamação — elucida Avram Bukhbinder, pesquisador pela UTHealth Houston.

 

Como funcionam esses imunizantes?

No Brasil, a vacina Tdap protege contra tétano, difteria e coqueluche, é aplicada apenas em adolescentes e adultos, por apresentar uma dosagem menor, enquanto DTaP (difteria-tétano-coqueluche) é recomendada para crianças com menos de 7 anos. Os adultos precisam de uma injeção de reforço Td ou Tdap a cada 10 anos para manter uma boa proteção contra o tétano e a difteria, ambos infecções bacterianas. Ela está disponível gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

A vacina pneumocócica, também disponível pelo SUS, protege contra diversos tipos de infecção. A doença pneumocócica é comum em crianças pequenas, mas os adultos mais velhos correm maior risco de doenças graves e morte.

Já a vacina HZ que protege o corpo contra o herpes-zóster, conhecido como “cobreiro”, o mesmo que causa a catapora, é paga. A imunização recombinante é recomendada para pessoas a partir dos 50 anos de idade, também é recomendada para pessoas a partir de 19 anos de idade para casos que têm ou terão um sistema imunológico enfraquecido devido a uma doença ou tratamento de uma doença.


CURSO DE ATENDIMENTO AO IDOSO – ALZHEIMER NO SINCOFARMA JÁ ESTÁ DISPONÍVEL

Parte Teórica

  • O que é a Doença de Alzheimer
  • Alzheimer é uma demência?
  • O que são Demências?
  • Fisiopatologia do Alzheimer
  • Sinais e Sintomas
  • Diagnóstico
  • Tratamento
  • Cuidado Farmacêutico na Farmacoterapia: monitoramento das reações adversas, adesão e cuidado com as interações medicamentosas.

 

Investimento

  • Associado: R$ 15,00
  • Não Associado: R$ 50,00
  • Meia Estudante: R$ 30,00
  • Boleto ou cartão à vista.

Horário

  • 10:30 – Abertura da sala online – Zoom
  • 11:00 – Início do Curso
  • 13:00 – Encerramento

 

Foto: Reprodução

Fonte: Guia da Farmácia