Sincofarma SP

Pesquisar
Close this search box.

Acessar

Menu

 
 

ASSOCIE-SE:

Medicamentos genéricos dominam mercado latino

Medicamentos genéricos ganham evidência no mercado

Compartilhe:

Facebook
LinkedIn
WhatsApp

Desde 1999 no Brasil, os medicamentos genéricos ganham evidência no mercado farmacêutico da América Latina. 

 

Segundo o Outlook, organizado pela Close-Up International, esses remédios lideram em nove dos dez países analisados pela consultoria na região.

 

Leia também: Bulas impressas de medicamentos devem ser mantidas pelas dificuldades de acesso à internet no Brasil

 

Em algumas localidades, como Argentina, Uruguai e Paraguai, a categoria domina as vendas com larga vantagem. Mas em países como Peru, Colômbia e Brasil, o mercado é mais competitivo.

 

Medicamentos genéricos lideram por aqui

No Brasil, os medicamentos genéricos são o carro-chefe em um mercado pulverizado. Com 39% das vendas, a categoria é seguida de perto pelos não-medicamentos, que abocanham 29% do total.

 

Para Tiago de Moraes Vicentte, presidente da PróGenéricos, o preço é um dos motores para esse desempenho. “Ele é pelo menos 35% menor em relação aos remédios de referência, por lei. Mas, em alguns casos, pode chegar a custar 80% menos”, aponta.

 

E essa economia não é benéfica apenas para o público final. “Isso proporciona economia ao SUS, um comprador dos nossos medicamentos. Há também um ganho indireto, pois quem tem acesso a mais medicamentos recorre menos à rede pública”, destaca Vicente.

 

Vendas no canal farma brasileiro

 

Peru, Colômbia e Chile são outros países que veem um mercado mais pulverizado e com liderança menos folgada dos genéricos. Nos países em questão, os produtos de OTC dividem os holofotes, respectivamente com 29%, 32% e 24%.

 

Na contramão da região

Se os medicamentos genéricos são o carro-chefe na grande maioria dos países da América do Sul e no México, um país e uma região das Américas não consomem tanto esse item: o Equador e a América Central.

 

No caso equatoriano, como a legislação dificultou a criação desses fármacos por anos, a população ainda se mostra fiel aos medicamentos de referência, movimento que se repete na parte central do continente.

 

A referencia do mercado

 

 

Foto: Reprodução
Fonte: Panorama Farmacêutico