Sincofarma SP

Pesquisar
Close this search box.
Sincofarma SP

Associado

Menu

 
 

ASSOCIE-SE:

‘Comer bem, dormir e fazer exercício é mais eficaz que qualquer remédio anti-idade’, diz Nobel de Química

Envelhecer

Compartilhe:

Facebook
LinkedIn
WhatsApp

Envelhecer e morrer, isso acontece com todos nós e também causa medo a (quase) todo mundo.

 

Mas por que envelhecemos e morremos? É possível retardar a velhice ou mesmo alcançar a imortalidade?

 

Estas questões ocuparam grande parte da carreira do biólogo molecular indiano Venki Ramakrishnan, de 71 anos.

 

Em 2009, juntamente com Thomas A. Steitz e Ada E. Yonath, ele recebeu o Prêmio Nobel de Química pela sua investigação sobre ribossomos, a estrutura celular responsável pela produção de proteínas, que são as moléculas que tornam possível a vida de todos os organismos.

 

BBC – O que é o envelhecimento? Em que consiste esse processo no ser humano?

 

Venki Ramakrishnan – Uma das principais causas do envelhecimento é o acúmulo de danos aos genes do nosso DNA.

 

A informação mais valiosa que os genes carregam é como produzir proteínas.

 

Em nível celular, as proteínas realizam milhares de reações químicas que tornam a vida possível. Eles dão forma e força ao nosso corpo, mas também permitem a comunicação entre as células.

 

Graças a elas temos nossos sentidos. E nosso sistema nervoso depende deles para transmitir sinais e armazenar nossa memória.

 

Nossos anticorpos são proteínas, e são elas que permitem à célula produzir as moléculas que necessita, incluindo gorduras, carboidratos, vitaminas, hormônios e os próprios genes.

 

Portanto, o envelhecimento tem muito a ver com a perda da capacidade do nosso corpo de regular a produção e destruição de proteínas nas células.

 

Podemos ver isso como um acúmulo de danos químicos nas nossas moléculas, células, tecidos e, finalmente, em todo o nosso corpo.

 

É um processo gradual, desde o momento em que nascemos. Antes mesmo já estamos envelhecendo, mas desde cedo não sentimos isso porque estamos crescendo, estamos nos desenvolvendo.

 

Depois, com o passar dos anos, os sintomas tornam-se mais evidentes e quando os sistemas críticos começam a falhar, o corpo não consegue funcionar como um todo unificado… E é isso que leva à morte.

 

O interessante da morte é que, quando morremos, a maior parte das nossas células ainda está viva — razão pela qual os nossos órgãos podem ser doados — mas já não são capazes de funcionar como um todo. Isso é a morte.

 

BBC – No seu livro o senhor menciona que na biologia tudo é explicado à luz da evolução. Do ponto de vista evolutivo, por que envelhecemos e morremos?

 

Ramakrishnan – Porque a evolução não se preocupa conosco como indivíduos.

 

Envelhecer
Envelhecer

 

A evolução trata basicamente da capacidade de transmitir genes. E esses genes não residem no vácuo, residem num indivíduo.

 

Portanto, desde que você seja capaz de crescer, procriar e garantir que sua prole atinja a idade reprodutiva, a evolução não se importa com o que acontecerá a você, porque você já transmitiu seus genes.

 

É verdade que os nossos organismos poderiam investir mais esforços na prevenção do envelhecimento, ou em ter melhores mecanismos para se repararem, mas do ponto de vista evolutivo é mais eficiente garantir que cresçamos mais rapidamente e possamos reproduzir-nos para transmitir os nossos genes.

 

É um equilíbrio que varia em cada espécie.

 

Por exemplo, numa espécie que vive sob alto risco de ser comida por um predador, não faz sentido que o seu organismo evolua para viver muitos anos, porque é muito provável que seja comido a qualquer momento.

 

Nos mamíferos, as espécies maiores tendem a ter um ciclo de vida mais longo do que as menores.

 

Nisto, porém, há uma curiosa exceção: ratos e morcegos pesam quase o mesmo, mas os morcegos têm um ciclo de vida muito mais longo que os ratos.

 

Por quê? Porque eles podem voar; portanto, eles são menos vulneráveis ​​aos predadores.

 

BBC – Nos últimos 150 anos, a expectativa de vida humana duplicou. Um dos grandes debates entre os cientistas é se esta esperança de vida pode continuar a aumentar ou se já atingimos o limite de vida dos nossos organismos. Qual é a sua posição nesse debate?

 

Ramakrishnan – (…) Com o conhecimento atual, 120 anos é o tempo mais longo que poderíamos viver razoavelmente, e é improvável que vivamos além dessa idade.

 

O curioso é que, por exemplo, Tom Perls, cientista que estuda longevidade em Boston, nos EUA, observou que embora aumente o número de pessoas que chegam a 100 anos, o número de quem chega a 110 não aumenta.

 

A sua sensação é de que, depois dos 110 anos, enfrentamos limites biológicos naturais.

 

Sim, há pessoas que, graças a uma combinação de fatores genéticos e estilo de vida, vivem mais de 110 anos, mas esse número de pessoas não está aumentando.

 

Então, sim, parece que existe um limite natural.

 

Também foram feitos cálculos que mostram que, mesmo que conseguíssemos eliminar doenças como o câncer, apenas aumentaríamos a expectativa média de vida em alguns anos.

 

Agora, se conseguirmos de alguma forma tratar as causas do envelhecimento, talvez possamos ultrapassar esse limite, mas não tenho certeza de quão fácil seria e nem sei se é desejável. É algo em que temos de pensar, porque pode haver enormes consequências sociais.

 

Alguns otimistas dizem que já nasceu a primeira pessoa que viverá até aos 150 anos, mas penso que são otimistas demais, porque o envelhecimento é altamente multifatorial e não está claro se existirão algumas soluções definitivas que interrompam isso e nos mantenham saudáveis.

 

Envelhecer
Envelhecer

 

BBC – Outro grande debate é se a velhice é uma doença…

 

Ramakrishnan – O câncer, a demência, a inflamação, a artrose, as doenças cardíacas estão todos relacionados à idade, razão pela qual há quem afirme que a idade é a causa subjacente destas doenças e, portanto, o envelhecimento é uma doença.

 

Outros apontam que o envelhecimento é algo que acontece com todos nós. Então, como pode algo inevitável e universal ser chamado de doença?

 

A OMS declarou recentemente sua posição de que o envelhecimento não é uma doença.

 

O que existe é muita pressão para que o envelhecimento seja considerado uma doença porque há muito dinheiro investido em pesquisas relacionadas a isso.

 

Para fazer estudos clínicos e obter aprovação das autoridades é necessária a existência de uma doença.

 

BBC – Em que áreas você acha que veremos maiores progressos nos tratamentos antienvelhecimento nos próximos anos?

 

Ramakrishnan – Como diz a piada atribuída ao jogador de beisebol Yogi Berra: “É difícil fazer previsões, especialmente sobre o futuro”.

 

Não tenho certeza de quão avançados eles são, mas existem várias abordagens que tentam retardar o envelhecimento.

 

Por exemplo, os pesquisadores descobriram que restringir calorias muitas vezes ajuda a retardar o envelhecimento, com a ressalva de que, entre os mais jovens, isso pode causar problemas.

 

Então, a busca é por criar um medicamento que tenha efeito semelhante à restrição calórica.

 

Eu digo brincando que é como se você pudesse comer um bolo com sorvete sem se preocupar com as calorias, porque você toma um comprimido e pronto. É o que muitas pessoas gostariam.

 

Há muito interesse em um medicamento chamado rapamicina, que segue essa abordagem, mas em altas doses pode ser imunossupressor e causar sérios danos.

 

Outro campo interessante é a parabiose, na qual se transfunde sangue de um animal jovem para um mais velho.

 

O que acontece aí é que o animal que recebe o sangue fica rejuvenescido em vários aspectos, o que significa que existem fatores no sangue que são responsáveis ​​pelo envelhecimento, e há estudos para identificá-los.

 

Existe também uma abordagem relacionada à senescência, que é o estado em que as células param de funcionar normalmente e param de se dividir.

 

Com a idade, acumulamos mais células senescentes, e a inflamação que produzem como sinal de que algo não está bem é uma causa adicional do envelhecimento.

 

Então há pesquisadores se perguntando: é possível destruir seletivamente células senescentes? Há evidências de que, se isto for alcançado, alguns dos efeitos do envelhecimento podem ser revertidos.

 

E há uma área muito interessante da reprogramação celular, que consiste em levar uma célula ao seu estado inicial, revertendo as alterações que nela ocorreram.

 

É claro que esse processo é arriscado porque muitas vezes pode causar tumores cancerígenos.

 

Estamos longe de poder aplicá-lo em humanos, mas foram realizados experimentos em animais que mostram resultados promissores.

 

Envelhecer
Envelhecer

 

BBC – Além desses avanços, você também chamou a atenção para outras abordagens que parecem mais ficção científica e que ganham muita atenção midiática…

 

Ramakrishnan – Sim, há coisas que são completamente ficção científica neste momento.

 

Há pessoas que acreditam na criogenia, o que significa que quando alguém morre congela o corpo em nitrogênio líquido na esperança de que, não sabemos como, no futuro exista tecnologia para reanimá-lo.

 

Acho que por enquanto é apenas exagero. É uma forma de capitalizar o medo que as pessoas têm de morrer.

 

Além disso, acho que é um problema de primeiro mundo. Quem aposta na criogenia são pessoas com muito dinheiro, que podem comprar tudo, menos juventude.

 

Cresci na Índia e conheço muita gente da África. E ninguém nesses lugares pensa em criogenia.

 

BBC – O medo do envelhecimento é generalizado. Por isso usamos Botox, tingimos os cabelos grisalhos, esse tipo de coisa… Você acha que os esforços para retardar o envelhecimento contribuem para que esse medo da velhice continue a crescer?

 

Ramakrishnan – Há muita pressão para não envelhecer, e essa pressão recai principalmente sobre as mulheres. É horrível.

 

Mas não creio que a pesquisa para retardar o envelhecimento alimente o medo da velhice. Pelo contrário, acredito que sejam resultado desse medo.

 

É um medo que tivemos durante grande parte da nossa história porque não temos conhecimentos suficientes da medicina.

 

BBC – Há muito esforço e muito dinheiro em ciência e tecnologia que visa retardar o envelhecimento, mas no seu livro você deixa claro que existem outras formas de se manter saudável que estão muito mais ao nosso alcance…

 

Ramakrishnan – Comer bem, dormir bem e fazer exercício são atualmente mais eficazes do que qualquer medicamento antienvelhecimento existente no mercado.

 

E não têm efeitos colaterais, além de terem uma base biológica sólida contra o envelhecimento.

 

O ser humano não evoluiu para comer em abundância, sobremesas e coisas assim.

 

Nossa espécie começou como caçadores e coletores. Comíamos esporadicamente, jejuávamos naturalmente e tínhamos a restrição calórica que mencionei antes.

 

Mas agora comemos mesmo quando não temos fome, e no Ocidente vemos um enorme aumento da obesidade.

 

Vamos falar sobre exercício. Hoje vivemos uma vida sedentária em relação aos nossos antepassados, que eram agricultores, caçadores, trabalhadores manuais.

 

E sobre o sono, muitas vezes subestimamos a sua importância, mas ele é extremamente valioso para os mecanismos de reparação do nosso corpo.

 

Colocar em prática essas dicas antigas nos ajuda a manter a massa muscular, regular a função mitocondrial, a pressão arterial, o estresse e a reduzir o risco de demência.

 

O problema é que nem sempre é fácil segui-los. Às vezes, as pessoas preferem apenas tomar uma pílula e viver suas vidas da maneira que desejam. Essa é a parte que temos que superar.

 

BBC – Você gosta daquela frase popular que diz que não importa quantos anos você vive, mas sim a vida que você teve nesses anos?

 

Ramakrishnan – É uma frase muito bonita e concordo com ela. É disso que se trata, ter um propósito, tirar o máximo proveito da sua vida.

 

Há muitas evidências de que ter um propósito na vida reduz o risco de ataques cardíacos e declínio cognitivo.

 

Mas também é verdade que todos nós queremos instintivamente viver o máximo que pudermos, e isso cria um paradoxo, porque o que queremos como indivíduos não é necessariamente bom para a sociedade ou para o planeta.

 

E vemos isso no uso de energia, no aquecimento global, na perda de biodiversidade… Estamos tomando decisões individuais que são prejudiciais à sociedade como um todo e reverter isso requer um verdadeiro esforço consciente.

 

Foto: Freepik
Fonte: BBC
IA da Panvel facilita atendimento nas farmácias

Criada recentemente, a IA da Panvel começou a ser utilizada em cinco farmácias da rede em abril e já está presente em 400 lojas. O Serviço de Orientação Farmacêutica com Inteligência Artificial foi batizado como Sofia, e desenvolvido a partir dos modelos generativos ChatGPT, da OpenAI e Claude, da Anthropic.