Sincofarma SP

Pesquisar
Close this search box.
Sincofarma SP

Associado

Menu

 
 

ASSOCIE-SE:

Câncer de próstata: exercícios podem ajudar a evitar a doença? Um novo estudo traz pistas

Compartilhe:

Facebook
LinkedIn
WhatsApp

Pesquisa com mais de 50 mil homens oferece um vislumbre de como a atividade física regular afeta o risco desse tipo de tumor, uma das principais causas de morte entre o sexo masculino

 

THE NEW YORK TIMES – Nos últimos anos, uma das perguntas mais provocativas na pesquisa sobre o câncer tem sido se o hábito regular de exercícios pode evitar que certos tipos de câncer se instalem.

A resposta, como em qualquer questão relacionada ao câncer, é complicada. Mas, um estudo recente publicado no The British Journal of Sports Sports Medicine ofereceu um vislumbre de como a atividade física regular afeta o risco de câncer de próstata, o segundo câncer mais comum e o segundo mais fatal nos Estados Unidos para os homens.

Em um dos maiores esforços desse tipo até hoje, os pesquisadores coletaram dados entre 1982 e 2019 de 57.652 homens suecos que haviam participado de pelo menos dois testes de condicionamento físico para verificar se aqueles que eram mais ativos tinham menos probabilidade de desenvolver câncer. Cerca de 1% foi posteriormente diagnosticado com câncer de próstata.

A equipe descobriu que aqueles que melhoraram o condicionamento físico ao longo dos anos tinham 35% menos probabilidade de serem diagnosticados com a doença.

 

 

A descoberta está de acordo com grande parte das pesquisas mais recentes sobre a relação entre condicionamento físico e diagnóstico de câncer. De acordo com um estudo de 2021, por exemplo, se todos os adultos nos Estados Unidos cumprissem as diretrizes de atividade física, os diagnósticos de câncer poderiam cair em 3%, ou 46.000 casos, a cada ano.

Mas, embora tenha havido uma extensa pesquisa sobre a relação entre exercícios e doenças como o câncer de mama, há menos pesquisas especificamente sobre o câncer de próstata. A chance de ter câncer de próstata aumenta para todos os homens após os 50 anos; o risco parece estar presente nas famílias. Cerca de um em cada oito homens será diagnosticado com câncer de próstata durante sua vida, de acordo com a Sociedade Americana de Câncer.

Alguns estudos anteriores que analisaram a conexão entre atividade física e câncer de próstata foram contraditórios, de acordo com Kate Bolam, coautora do estudo. Enquanto alguns mostraram aumento do risco de câncer de próstata para aqueles que eram fisicamente ativos, outros encontraram uma diminuição do risco.

Mas, muitos desses estudos tinham amostras pequenas ou eram tendenciosos para pessoas mais saudáveis, disse Bolam, pesquisadora da Escola Sueca de Ciências do Esporte e da Saúde.

“Os homens que geralmente se preocupam mais com a saúde”, disse ela, “também são bons em ir ao médico quando são chamados para os exames de rastreamento do câncer de próstata”

Mais exames significam mais diagnósticos, inclusive em homens cujos cânceres nunca progredirão. Às vezes, as células cancerosas podem existir na próstata durante toda a vida e não serem perigosas, de modo que muitos homens que não são testados e não apresentam sintomas podem nunca saber que têm câncer de próstata.

 

Leia também: Consumo de medicamento para câncer de próstata cresce 89%

 

A equipe sueca conseguiu criar um quadro com mais nuances usando um banco de dados nacional com centenas de milhares de resultados em laboratório, incluindo testes de condicionamento físico que medem a saúde do coração e os pulmões fornecem oxigênio aos músculos.

Ao contrário dos estudos que dependem dos pacientes para relatar seus hábitos de exercício, isso proporcionou aos especialistas medições objetivas. Os resultados mostraram claramente uma ligação entre a atividade física e a redução do risco de câncer de próstata. Também mostraram que maiores melhorias no condicionamento físico estavam associadas a uma maior redução do risco.

Isso contribui para uma compreensão cada vez maior da importância do exercício físico para a prevenção do câncer de forma mais geral. Em 2019, uma revisão do Colégio Americano de Medicina do Esporte descobriu que a atividade física regular reduziu significativamente o risco de cânceres de bexiga, mama, cólon, endométrio, adenocarcinoma de esôfago, rim e estômago. A mesma análise também constatou que o hábito de se exercitar regularmente estava ligado a melhores resultados de tratamento e estendia a expectativa de vida das pessoas que já viviam com câncer.

Embora não esteja claro exatamente como isso acontece, os especialistas disseram que uma explicação pode ser que o exercício ajuda a combater o câncer, melhorando a forma como o sistema imunológico enxerga e erradica as células cancerosas.

“Sabemos que mesmo uma única sessão de exercícios ajuda nosso corpo a liberar células imunológicas na circulação”, disse Neil M. Iyengar, oncologista e médico cientista do Memorial Sloan Kettering Cancer Center, em Nova York, que não participou do estudo. “Isso também ajuda a melhorar a população de células imunológicas em nossos tecidos que combatem as células cancerígenas.”

Ele acrescentou: “Em alguém que se exercita, você vê mais células imunológicas que são realmente capazes de matar as células cancerígenas. Já em alguém mais sedentário, especialmente alguém obeso, você vê o oposto”.

Os pesquisadores ainda não sabem exatamente a dose certa e o tipo de exercício que pode ser mais eficaz, mas tanto a Sociedade Americana de Câncer quanto a Sociedade Americana de Oncologia Clínica recomendam 150 minutos por semana, ou 20 minutos por dia, de exercícios aeróbicos. Isso pode ser uma caminhada leve, corrida ou exercícios de sustentação de peso.

Tanto Iyengar quanto Bolam recomendam começar de forma simples: encontre uma atividade que seja agradável e comece a se movimentar. Isso pode ser brincar com os filhos ou netos, fazer uma caminhada ou participar de uma liga esportiva recreativa. A consistência é fundamental, disseram eles, e é por isso que é importante encontrar uma atividade que não pareça uma tarefa árdua.

“Todos têm a chance de fazer algo que seja realmente econômico para diminuir o risco de câncer de próstata”, disse Bolam. “E isso é algo que está totalmente sob nosso controle.”

Fonte: Estadão
Foto: Freepik

 

IA da Panvel facilita atendimento nas farmácias

Criada recentemente, a IA da Panvel começou a ser utilizada em cinco farmácias da rede em abril e já está presente em 400 lojas. O Serviço de Orientação Farmacêutica com Inteligência Artificial foi batizado como Sofia, e desenvolvido a partir dos modelos generativos ChatGPT, da OpenAI e Claude, da Anthropic.