Sincofarma SP

Pesquisar
Close this search box.
Sincofarma SP

Associado

Menu

 
 

ASSOCIE-SE:

Indústria farmacêutica movimenta R$ 63,5 bi no Brasil em 2016

Compartilhe:

Facebook
LinkedIn
WhatsApp

2017-12-15 11:00:08

 

Os medicamentos para tratamento de doenças cardíacas lideram a procura, no total foram 694 milhões de embalagens vendidas.
A  indústria farmacêutica movimentou R$ 63,5 bilhões em 2016 no Brasil, segundo um relatório divulgado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta quinta-feira (14/12).
Os medicamentos novos, produzidos com princípios ativos sintéticos ou semi-sintéticos, acumularam a maior parte das vendas, com 39,4% do total, em 925,7 milhões de embalagens.
Os biológicos ocupam a segunda maior fatia da conta, com 19,1% e os genéricos a terceira, com 13,5%. Medicamentos similares representam 22,1% do total e os específicos, 5,9%.
A apresentação dos números da indústria, segundo defende a Anvisa, contribui para dar maior transparência no país aos dados do setor, que é um dos maiores do mundo, em termos de movimentação financeira. Além do setor de impressões gráficas, só o de medicamentos apresentou crescimento em 2016. Os dados ficarão disponíveis para consulta no site da agência.
“O monitoramento do mercado farmacêutico por nós ou outros órgãos do governo ganha uma fonte importante com esse anuário. Esse detalhamento permite um debate mais importante em termos, por exemplo, de precificação justa para novos medicamentos. (Os novos medicamentos) são alentadores mas ao mesmo tempo são caros e causam impacto para o sistema de saúde e para a sociedade”, disse o diretor-presidente da Anvisa Jarbas Barbosa após a apresentação do relatório. “Esperamos que outros órgãos possam se debruçar sobre esses dados. Merece estudos, políticas que vão aperfeiçoando esse mercado”.
Sobre o tipo de medicamento mais vendido, os para tratamento de doenças do coração lideraram o ranking dos mais vendidos no ano passado. No total, foram 694 milhões de embalagens – ou 15,3% do total. O faturamento desse tipo de remédio bateu os R$ 5,7 bilhões. Substâncias para tratar doenças do sistema nervoso central ficaram com a segunda maior fatia: 14,6%.
Em termos de quantidade de venda, os genéricos lideraram no mercado nacional em 2016: 32,4% das embalagens comercializadas foram dessa categoria de medicamento.
Os similiares, espécies de “genéricos de marca”, vieram em seguida, com 31,5% das vendas. Nessa categoria, a maior parte das empresas com maior faturamento são nacionais: 16, das 20. A de melhor desempenho é a Fiocruz, em oitavo lugar na lista.
Ao todo, foram vendidos 6,3 mil produtos em 12.798 apresentações diferentes, produzidas por 214 fabricantes distribuídos em 14 estados diferentes. No topo da lista de mais vendidos, está o cloreto de sódio, seguido de losartana (pressão arterial), dipirona, cloreto de metformina (diabetes tipo 2), o analgésico paracetamol e o fator VIII de coagulação.
Chiesi introduz bulas digitais em medicamentos da marca

A biofarmacêutica de origem italiana Chiesi anunciou o lançamento de uma página inteiramente dedicada às bulas digitais. A companhia, especializada em soluções terapêuticas de saúde respiratória e doenças raras, investiu em iniciativas para reforçar inclusão e acessibilidade do grupo.

IA da Panvel facilita atendimento nas farmácias

Criada recentemente, a IA da Panvel começou a ser utilizada em cinco farmácias da rede em abril e já está presente em 400 lojas. O Serviço de Orientação Farmacêutica com Inteligência Artificial foi batizado como Sofia, e desenvolvido a partir dos modelos generativos ChatGPT, da OpenAI e Claude, da Anthropic.