Sincofarma SP

Pesquisar
Close this search box.

Associado

Menu

 
 

ASSOCIE-SE:

Uso de versão genérica de anestésico pode revolucionar o tratamento da depressão grave

Injeções quinzenais de cetamina

Compartilhe:

Facebook
LinkedIn
WhatsApp

Um em cada cinco participantes de estudo relatou desaparecimento total dos sintomas após um mês de injeções quinzenais de cetamina.

 

Uma versão de baixo custo do anestésico cetamina para tratar a depressão grave apresentou resultados positivos em um teste duplo-cego comparando-a com o placebo.

 

A cetamina é um medicamento utilizado como alternativa no tratamento da depressão para pacientes que não obtiveram sucesso com tratamentos convencionais.

 

Leia também: Farmacêuticos criam projeto envolvendo sistema prisional para reciclagem de canetas de insulinas

 

Ela age de forma rápida e diferente dos antidepressivos tradicionais, afetando diretamente o sistema glutamatérgico do cérebro.

 

Estudos mostram que a cetamina pode aliviar rapidamente os sintomas depressivos em pacientes, inclusive os considerados resistentes a tratamentos anteriores. Ela pode ser administrada por injeção intravenosa ou intramuscular.

 

Pesquisadores liderados pela Universidade de Nova Gales do Sul (UNSW Sydney) e pelo Instituto Black Dog, afiliado à universidade, descobriram que mais de um em cada cinco participantes do estudo alcançou remissão total dos sintomas da depressão após um mês de injeções quinzenais, enquanto um terço viu seus sintomas melhorarem em pelo menos 50%.

 

Os achados foram publicados nesta quinta-feira (13) no British Journal of Psychiatry.

 

“Para pessoas com depressão resistente ao tratamento – aquelas que não se beneficiaram de diferentes formas de terapia, antidepressivos comumente prescritos ou eletroconvulsoterapia – uma remissão de 20% é realmente bastante boa”, afirma a pesquisadora principal, professora Colleen Loo.

 

Os autores do trabalho descobriram que a cetamina teve um desempenho claramente superior ao placebo, com 20% dos participantes relatando que não tinham mais depressão clínica, em comparação com apenas 2% do grupo placebo. 

 

“Essa é uma diferença enorme e muito evidente, trazendo uma evidência definitiva para o campo, que antes só contava com estudos menores que comparavam a cetamina com o placebo”, complementa a pesquisadora. 

 

Como foi feito o teste

Os pesquisadores recrutaram 179 pessoas com depressão resistente ao tratamento. A todos foi administrada uma injeção de uma forma genérica de cetamina que já está amplamente disponível na Austrália como medicamento para anestesia e sedação, ou um placebo.

 

Os participantes receberam duas injeções por semana em uma clínica, onde foram monitorados por cerca de duas horas enquanto os efeitos dissociativos e sedativos agudos diminuíam, geralmente dentro da primeira hora.

 

O tratamento durou um mês e os participantes foram solicitados a avaliar seu humor ao final do teste e um mês depois.

 

Como foi um teste duplo-cego, nem os participantes nem os pesquisadores que administraram o medicamento sabiam quais pacientes receberam cetamina genérica ou placebo, para garantir que os viéses psicológicos fossem minimizados.

 

Importante destacar que um placebo que também causa sedação foi escolhido para melhorar o mascaramento do tratamento.

 

O midazolam é um sedativo normalmente administrado antes de uma anestesia geral, enquanto em muitos estudos anteriores o placebo era uma solução salina.

 

“Porque não há efeitos subjetivos da solução salina, em estudos anteriores ficou óbvio quem estava recebendo a cetamina e quem estava recebendo o placebo”, explica a professora.

 

“Ao usar midazolam – que não é um tratamento para a depressão, mas faz você se sentir um pouco tonto e fora de si – há muito menos chance de saber se você recebeu cetamina, que tem efeitos agudos semelhantes”, pontua. 

 

Outros aspectos do teste recente que o diferenciaram de estudos anteriores incluíram a aceitação de pessoas que já haviam recebido ECT (eletroconvulsoterapia).

 

“As pessoas são recomendadas a fazer a ECT para tratar sua depressão quando todos os outros tratamentos foram ineficazes”, argumenta Colleen. “A maioria dos estudos exclui pessoas que já fizeram ECT, porque é muito difícil para um novo tratamento funcionar quando a ECT não funcionou”, complementa. 

 

Outra diferença deste teste foi a entrega do medicamento por via subcutânea (injeção na pele), em vez de gotejamento, o que reduziu muito o tempo e a complexidade médica.

 

O estudo também é o maior do mundo até o momento que compara cetamina genérica com placebo no tratamento da depressão grave.

 

Injeções quinzenais de cetamina
Injeções quinzenais de cetamina

 

Tratamento acessível

Além dos resultados positivos, um dos principais benefícios do uso da cetamina genérica no tratamento da depressão resistente é que ela é muito mais barata do que o spray nasal de cetamina patenteado atualmente usado na Austrália.

 

Enquanto o S-cetamina (versão spray) custa cerca de US$ 800 (cerca de R$ 3.800) por dose, a cetamina genérica é uma fração disso, custando apenas US$ 5 (R$ 24), dependendo do fornecedor e se o hospital a compra no atacado.

 

A autora do trabalho acrescenta que tanto a S-cetamina quanto os tratamentos com cetamina genérica geralmente têm efeitos positivos que desaparecem após alguns dias ou semanas, então um tratamento contínuo pode ser necessário, dependendo da situação clínica de cada pessoa.

 

No entanto, os custos proibitivos do medicamento e do procedimento tornam essa uma proposta insustentável para a maioria dos australianos.

 

“É por isso que estamos solicitando um número de item do Medicare [plano de saúde local] para financiar este tratamento agora, porque ele é tão poderoso.”

 

“E se você considerar que muitas dessas pessoas podem passar vários meses no hospital, ou não conseguem trabalhar e muitas vezes estão bastante suicidas, é bastante econômico quando você vê o quão rapidamente e poderosamente funciona. Já vimos pessoas voltarem ao trabalho, aos estudos ou saírem do hospital por causa deste tratamento em questão de semanas.”

 

Os pesquisadores agora pretendem realizar testes maiores de cetamina genérica em períodos mais longos e aprimorar o monitoramento de segurança do tratamento.

 

 

Foto: Freepik
Fonte: Abradilan