Sincofarma SP

Pesquisar
Close this search box.

Associado

Menu

 
 

ASSOCIE-SE:

E-commerce de farmácia no Brasil já é o 3º do mundo

Compartilhe:

Facebook
LinkedIn
WhatsApp

e-commerce de farmácia coloca o Brasil em posição privilegiada. O país é o terceiro do mundo com maior participação das vendas online sobre o faturamento total do setor. O percentual já é de 11,6%, inferior apenas aos índices da Alemanha e dos Estados Unidos.

Os dados da IQVIA levam em consideração o desempenho no primeiro trimestre em comparação com o mesmo período dos anos anteriores. Em relação a 2022, o valor passou de R$ 1,9 bilhão para R$ 2,7 bilhões. O avanço foi de 42,3%.

O salto é ainda maior quando se compara com o primeiro trimestre de 2021, que apresentava vendas na casa de R$ 1,3 bilhão. Nos três primeiros meses de 2019 e 2020, período anterior à pandemia, a representatividade era de apenas 2,7% e 3,4%, respectivamente.

 

E-commerce de farmácia: evolução acelerada

A representatividade do e-commerce de farmácia no Brasil ainda está distante dos dois líderes, cujos percentuais superam 20%. Mas o varejo farmacêutico nacional está bem à frente de mercados maduros como Itália e França e dos nossos vizinhos Argentina e México.

Share do e-commerce de farmácia por país

“O varejo farmacêutico brasileiro, especialmente entre as grandes redes e o associativismo, conseguiram ter a agilidade necessária para absorver a rápida mudança de hábitos do shopper durante a pandemia. Facilitaram a jornada do cliente, trabalhando com eficácia a integração com a loja física”, acredita Rogerio Lima, vice-presidente de conteúdo e consultoria da Retail Farma Brasil.

 

E-COMMERCE DE FARMÁCIA TRANSITA COM O PDV        

A percepção de Lima vai ao encontro de outro dado do estudo, que aponta que 46% dos consumidores transitam entre a loja física e o e-commerce de farmácia.

Do total, 20% pesquisam os produtos no PDV e compram no ambiente online, enquanto 26% efetivam suas compras após pesquisar na plataforma digital. Estes são conhecidos como consumidores webrooming.

“Essa fusão entre os dois canais exige que o varejista disponibilize o canal que o shopper quer utilizar no momento. Só assim o setor poderá explorar da melhor forma esse novo perfil de compras”, complementa.

 

Hábitos do consumidor no varejo farmacêutico

RECOMENDAÇÃO E MARKET SHARE DAS MARCAS

O levantamento ainda revela que a recomendação da farmácia e o resultado da busca no e-commerce da rede tem alto impacto no market share das marcas. A pesquisa comparou 1.337 produtos para diabetes tipo 2 pesquisados nas farmácias com 270 produtos pesquisados no e-commerce da Droga Raia.

SHARE DE VISITAS À PÁGINA DO PRODUTO

Medicamentos para diabetes tipo 2


Marca A
Marca B Marca C Outros
Todas as farmácias 24% 26% 23% 27%
Droga Raia 25% 24% 33% 18%

ORIGEM DO TRÁFEGO PARA PÁGINA DE PRODUTOS

Medicamentos para diabetes tipo 2 – Droga Raia

Origem do tráfego Marca A +B Marca C
Orgânico 51 21
Navegação categoria 11 6
Recomendação do varejista 12 22
Busca no site do varejo 7 31
Promoção 13 4
Outros 6 15

 

“A farmácia precisa focar nas principais palavras-chave usadas pelo shopper no universo online para garantir o posicionamento de destaque das marcas”, ressalta Camila Castrohead de Transformação Digital da IQVIA

 

Foto: Reprodução
Fonte: Panorama Farmacêutico