Sincofarma SP

Pesquisar
Close this search box.
Sincofarma SP

Associado

Menu

 
 

ASSOCIE-SE:

Nove em cada dez brasileiros usam remédio sem receita

Placas obrigatórias para "Evite Automedicação"

Compartilhe:

Facebook
LinkedIn
WhatsApp

Remédio sem receita – Placas obrigatórias para “Evite Automedicação ” o Sincofarma disponibiliza no site, faça já o download!

 

Hábito de tomar remédio sem receita traz riscos para a vida dos pacientes, mas a automedicação é extremamente comum entre brasileiros.

 

Aproximadamente nove em cada dez pessoas tomam remédio sem receita médica no Brasil. O número foi revelado pela Pesquisa de Automedicação, do Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico (ICTQ), realizada em 2022.

 

Leia também: Lista completa: placas de farmácia que são obrigatórias para sua loja

 

Ainda que o hábito seja extremamente comum entre os brasileiros, especialistas alertam que a automedicação pode trazer riscos para a saúde e eventualmente até matar.

 

Apesar de parecer uma solução simples e eficaz, tomar remédios por conta própria pode complicar o tratamento de casos inicialmente simples e mascarar doenças mais graves que exigem um diagnóstico médico a partir de seus sintomas.

 

 

Segundo o neurocirurgião Guilherme Rossoni, tomar remédio sem receita pode também matar. “A automedicação é algo extremamente perigoso e até mesmo fatal. Isso porque, além de consequências como intoxicação e ineficácia no tratamento correto, se corre risco de morte”, alerta.

 

O especialista pede atenção redobrada com os antibióticos, medicamentos necessários para combater infecções. O neurocirurgião destaca que seu uso incorreto pode piorar o quadro do paciente.

 

 

Foto: Shutterstock
Fonte: Guia da Farmácia
IA da Panvel facilita atendimento nas farmácias

Criada recentemente, a IA da Panvel começou a ser utilizada em cinco farmácias da rede em abril e já está presente em 400 lojas. O Serviço de Orientação Farmacêutica com Inteligência Artificial foi batizado como Sofia, e desenvolvido a partir dos modelos generativos ChatGPT, da OpenAI e Claude, da Anthropic.