Sincofarma SP

Pesquisar
Close this search box.

Associado

Menu

 
 

ASSOCIE-SE:

O que acontece quando se para de tomar Ozempic?

Ozempic

Compartilhe:

Facebook
LinkedIn
WhatsApp

Foi pensando em emagrecer que a maquiadora Larissa*, de 28 anos, começou a usar por conta própria, no início do ano passado, o Ozempic, um medicamento em forma de canetinha com agulha na ponta.

 

Os resultados que ela queria apareceram nos três primeiros meses: ela conta ter perdido 8 kg e diminuído a numeração de suas roupas. Mas, quando a maquiadora decidiu parar de tomar o medicamento, uma vez que já tinha atingido seu objetivo, vieram as surpresas desagradáveis.

 

“Em quatro meses, engordei 15 kg e passei a ter compulsão alimentar, coisa que eu não tinha antes de usar o Ozempic”, conta.

 

A vendedora Marina*, de 32 anos, passou por uma situação bem parecida.

 

Ela decidiu usar a medicação após ver vídeos na internet falando sobre seus benefícios.

 

Mesmo sem receita médica, ela não teve dificuldades em adquirir o remédio em uma farmácia na cidade de São Paulo.

 

Nas primeiras semanas de uso, ela conta que emagreceu 5 kg — mas ganhou tudo de volta quando interrompeu, também sem acompanhamento médico, o uso do remédio.

 

“Um mês depois de ter engordado o que eu havia emagrecido, decidi comprar mais uma caneta e voltar a usar o Ozempic”, conta.

 

“Porém, já faz um mês que estou usando e não sinto mais efeito nenhum, não emagreci nada.”

 

Relatos como o de Larissa e Marina são comuns entre pessoas que decidiram usar o remédio sem indicação médica, o que é completamente desaconselhado pelo fabricante do Ozempic e por especialistas. Além disso, no Brasil, o uso do remédio só é liberado para tratamento do diabetes tipo 2 (leia mais abaixo).

 

Há diversos grupos e vídeos de pessoas relatando suas experiências de uso para emagrecimento nas redes sociais. Na maioria dos casos, elas contam apenas os benefícios, o que acaba induzindo mais pessoas a usarem o medicamento.

 

Logo que o Ozempic ganhou fama devido ao seu efeito emagrecedor, o medicamento chegou a faltar nas farmácias de diversas cidades brasileiras, deixando sem o medicamento pacientes diabéticos, para que seu uso é indicado.

 

No entanto, hoje ele voltou a ser encontrado com facilidade nos estabelecimentos.

 

Ozempic é o nome comercial de um medicamento injetável chamado semaglutida, indicado para auxiliar no tratamento do diabetes tipo 2.

 

No Brasil, a semaglutida não está liberada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso contra a obesidade.

 

Mesmo no caso para o qual é indicado, para diabetes tipo 2, o paciente pode apresentar diversos efeitos colaterais, incluindo ganhar de volta o peso perdido.

 

Leia também: Uso indiscriminado da tadalafila como parte da rotina de treino

 

O Ozempic é fabricado pelo laboratório Novo Nordisk, que afirma que o medicamento deve ser utilizado e comercializado apenas sob prescrição médica.

 

Em nota, o laboratório afirmou também que “não endossa ou apoia a promoção de informações” sobre o uso off-label (fora das recomendações de bula) dos medicamentos que produz.

 

“Ozempic, aprovado e comercializado no Brasil para o tratamento do diabetes tipo 2, não possui indicação aprovada pelas agências regulatórias nacionais e internacionais para o tratamento de obesidade”, explicou o laboratório em nota.

 

O que é o Ozempic

A semaglutida ajuda a controlar o açúcar no sangue, aumentando a produção de insulina e reduzindo a produção de glicose pelo fígado.

 

Como é um medicamento, a dose e o tempo de uso devem ser orientados por um médico.

 

“Como todo remédio, a semaglutida tem possíveis efeitos colaterais e contraindicações”, afirma Fabio Moura, endocrinologista e diretor da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

 

O médico cita algumas das contraindicações:

  • ser gestante;
  • ter histórico de gastroparesia;
  • ter histórico de pancreatite sem etiologia conhecida;
  • ter carcinoma medular de tireoide;
  • ter neoplasia endócrina múltipla;
  • ser alérgico à semaglutida.

 

Mesmo no uso para diabetes, o paciente pode apresentar diversos efeitos colaterais, explica o endocrinologista Bruno Geloneze, membro da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica (Abeso) e pesquisador da Universidade de Campinas (Unicamp).

 

“Os efeitos mais frequentes são náuseas e menos frequentemente, vômitos e constipação”, diz Geloneze.
 
“Esses efeitos podem ser contornados por um aumento progressivo e mais lento das doses semanais do medicamento com uma orientação alimentar.”

 

Em algumas situações, diz Geloneze, podem ser prescritos medicamentos para melhorar os sintomas.

 

Renato Zilli, endocrinologista do Hospital Sírio-Libanês, endossa que o remédio traz impactos para todo tipo de paciente, incluindo aqueles que têm diabetes tipo 2.

 

“As pessoas vão lá e compram a medicação, não se adaptam e muitas acabam parando no hospital”, acrescenta Zilli.
 
“Então, existe um risco, sim, e, além disso, precisa ajustar outras medicações, no caso de quem tem diabetes.”

 

Como a semaglutida age no cérebro
Prato vazio

 

A medicação também age no sistema nervoso central, reduzindo o apetite e, consequentemente, pode levar à perda de peso. Isso ajuda no controle do diabetes tipo 2.

 

Ao agir como um inibidor de apetite, a semaglutida imita a ação do hormônio GLP-1 produzido no intestino. É ele que age no cérebro regulando a saciedade e a vontade de comer.

 

O GLP-1 é liberado depois de uma refeição e faz com que as pessoas se sintam satisfeitas, o que ajuda a reduzir a ingestão de calorias ao longo do dia.

 

“No sistema nervoso central, o GLP-1 também diminui aquela vontade, aquela ansiedade de alimentação com produtos gordurosos ou ricos em carboidratos”, explica o neurologista Sandro Matas, coordenador do serviço de Neurologia da unidade Pompeia do Hospital São Camilo.

 

“Então, [ao tomar o remédio] o paciente acaba tendo também uma certa aversão a esse tipo de alimento.”

 

Ozempic
Ozempic

 

Quando o uso da semaglutida é interrompido bruscamente, o cérebro não recebe mais o estímulo, e o paciente volta a comer como antes.

 

“Quando o paciente para de tomar o medicamento, o cérebro entende que não há mais saciedade e que é preciso se alimentar”, explica José Oswaldo de Oliveira Júnior, neurologista do Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE) de São Paulo.

 

Segundo os especialistas ouvidos pela BBC, em alguns casos, a pessoa que usa o medicamento sem acompanhamento médico pode ganhar mais peso do que eliminou e até adquirir uma compulsão alimentar — quando a pessoa tem a necessidade de comer a toda hora ou em quantidades acima das necessidades do corpo.

 

Isso acontece porque a interrupção do uso do medicamento faz com que o cérebro não receba mais os estímulos de saciedade provocados pela semaglutida. Assim, a pessoa passa a ter mais sensação de fome e busca alimentos que dão prazer, como doces.

 

No tratamento de diabetes, a semaglutida deve ser utilizada como coadjuvante, sendo priorizada a reeducação alimentar e atividades físicas.

 

A redução do uso do medicamento deve ser feita gradualmente e com acompanhamento médico.

 

“A dose da medicação vai sendo diminuída aos poucos, para que a pessoa se acostume a ter saciedade sem a presença do remédio, que inibe a fome”, diz Oliveira Junior.
 
“Essa redução deve ser aliada também à vigilância da compulsão alimentar.”

 

*O nome foi alterado a pedido das entrevistadas.

 

 

Foto: Reprodução
Fonte: BBC
Ozempic