Sincofarma SP

Pesquisar
Close this search box.
Sincofarma SP

Associado

Menu

 
 

ASSOCIE-SE:

Saúde busca recompor estoque de medicamentos

Recompondo o estoque de medicamentos

Compartilhe:

Facebook
LinkedIn
WhatsApp

O Ministério da Saúde está recompondo o estoque de medicamentos federais e estaduais para evitar novas perdas como as ocorridas em 2023. O objetivo é monitorar os produtos próximos do vencimento e buscar alternativas, como doações a hospitais públicos. As informações são da Folha de S. Paulo.

 

No ano passado, a pasta descartou ao menos R$ 1,2 bilhão em produtos que perderam a validade, sendo R$ 1 bilhão em vacinas contra a Covid e mais de R$ 150 milhões em medicamentos do chamado “kit intubação”. Essas drogas foram adquiridas em larga escala no governo anterior, mas com atraso, quando o SUS ficou desabastecido de analgésicos e bloqueadores neuromusculares na pandemia.

 

Leia também: Projeção de reajuste de medicamentos frustra mercado

 

A atual gestão considera que herdou de Bolsonaro um estoque desorganizado e repleto de produtos com validade curta ou já vencidos. As vacinas da Covid, por exemplo, venceram no primeiro trimestre. O ministério afirma, contudo, que evitou o desperdício de outros R$ 251,2 milhões em vacinas em 2023. “O valor equivale a mais de 12,3 milhões de doses”, diz a pasta.

 

Dificuldade de gerir o estoque de medicamentos

Embora a dificuldade de gerir o estoque de medicamentos tenha sido apontada no relatório de transição do governo, o ministério só nomeou em maio o atual diretor de Logística, Odilon Borges de Souza. Antes disso, a pasta chegou a perder cerca de 1,2 milhão de testes de Covid, avaliados em R$ 42 milhões, e 56 milhões de pílulas anticoncepcionais. O ministério afirma que conseguiu repor parte dos métodos contraceptivos ao trocar os lotes vencidos por novos com a fabricante.

 

Os produtos do Ministério da Saúde ficam armazenados em Guarulhos (SP). Uma empresa privada faz a administração do estoque e também lida com a incineração dos insumos vencidos.

 

Recompondo o estoque de medicamentos
Recompondo o estoque de medicamentos

 

O governo prepara nova licitação para este serviço, tido como um dos mais estratégicos e caros da pasta. Em 2018, o contrato de gestão do estoque superou R$ 1 bilhão.

 

A equipe da ministra Nísia Trindade também encontrou serviços críticos sem cobertura contratual, como o de armazenamento das vacinas da Pfizer contra a Covid. Ainda na gestão Bolsonaro, o acordo com a empresa que guardava esses imunizantes expirou, e a pasta fez um arranjo por e-mail para manter o serviço e pagar mais tarde —ou seja, por reconhecimento de dívida.

 

O ministério se deparou ainda com milhares de toneladas de aventais doados ao Brasil durante a pandemia com validade curta. A pasta estima que já gastou mais de R$ 26 milhões apenas para armazená-los. O plano é doar as roupas de proteção para cooperativas de reciclagem.

 

 

Foto: Reprodução
Fonte: Panorama Farmacêutico
IA da Panvel facilita atendimento nas farmácias

Criada recentemente, a IA da Panvel começou a ser utilizada em cinco farmácias da rede em abril e já está presente em 400 lojas. O Serviço de Orientação Farmacêutica com Inteligência Artificial foi batizado como Sofia, e desenvolvido a partir dos modelos generativos ChatGPT, da OpenAI e Claude, da Anthropic.