Sincofarma SP

Pesquisar
Close this search box.

Associado

Menu

 
 

ASSOCIE-SE:

Orientações sobre o uso de repelentes

Compartilhe:

Facebook
LinkedIn
WhatsApp

Consulte o seu farmacêutico para ter informações específicas sobre qual o melhor tipo de repelente e como usá-lo

 

Informações para o paciente

 O uso de repelentes é uma forma efetiva de prevenção contra o mosquito Aedes aegypti, vetor do vírus da dengue, Zika e Chikungunya. Para um bom efeito protetor, é necessário o uso adequado desses produtos. Lembre-se de aplicar nas áreas da pele que estiverem expostas e/ou sobre a roupa, sendo nesses casos indicado o uso de repelente na forma de spray. Os repelentes não devem ser aplicados próximo da região dos olhos e da boca. Não adianta aplicar ou vaporizar grande quantidade do produto, pois isto não irá garantir maior ação de repelência. Não use repelentes sobre cortes, feridas, pele inflamada ou irritada. Também não permita que crianças apliquem ou vaporizem o produto em si mesmas, elas sempre precisam da ajuda de um adulto.

Consulte o seu farmacêutico para ter informações específicas sobre qual o melhor tipo de repelente e como usá-lo.

 

Informações para o farmacêutico

Uma adequada ação de repelência dependerá do correto modo de utilização dos repelentes, bem como da escolha do tipo mais favorável a determinado uso. Dessa forma, é importante que você oriente o seu paciente quanto à correta aplicação do produto, bem como ao melhor tipo a ser usado. Por exemplo, para aplicar sobre a roupa, é melhor usar repelente sob a forma de aerossol, que pode ser vaporizado sobre a mesma1.

Conhecer um pouco mais esse assunto irá contribuir para aprimorar a qualidade do seu atendimento, para a melhoria dos resultados em saúde do paciente e para avalorização da profissão farmacêutica. 

 

1) Quais os principais princípios ativos contidos nos repelentes?

No Brasil, os repelentes são registrados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como cosméticos com ação de repelência, conforme as regras da RDC 19, de 10 de abril de 20132.  

Além da N,N-DIETIL-META-TOLUAMIDA ou N,N-DIETIL-3-METILBENZAMIDA (DEET), são utilizadas em cosméticos as substâncias repelentes Hydroxyethyl isobutyl piperidine carboxylate (Icaridin ou Picaridin) e Ethyl butylacetylaminopropionate (EBAAP ou IR3535), além de extrato vegetal ou óleo de Cymbopogon (Citronela)3.

 

 


2) Quais as principais orientações relacionadas ao modo de se aplicar os repelentes? 
  1. Aplicar o repelente somente na área da pele que estiver exposta e/ou sobre a roupa (neste último caso, as formulações em spray são mais adequadas), sempre utilizando conforme as orientações do fabricante (estas estão disponíveis na embalagem primária do repelente). Não aplicar o repelente e vestir a roupa por cima1;
  2. Não aplicar o repelente próximo da região dos olhos e boca. Aplique com moderação ao redor das orelhas. Quando utilizar repelente na forma de spray, não aplicá-lo diretamente sobre o rosto; borrifar nas mãos e espalhar no rosto, sempre evitando a região dos olhos e boca1;
  3. Não permitir que crianças apliquem ou vaporizem o repelente em si mesmas. Para aplicação em crianças, o adulto deve distribuir o creme ou vaporizar o produto em suas mãos e em seguida aplicar na criança, seguindo as mesmas orientações já dispostas nos itens 1 e 21;
  4. Evite aplicar o repelente nas mãos de crianças, pois estas levam a mão à boca constantemente e poderão ingerir o produto1;
  5. Não aplicar ou vaporizar grande quantidade do produto, pois isto não irá garantir maior efetividade do efeito de repelência1;
  6. A efetividade de repelência pode ser reduzida pela prática de natação, lavagem, sudorese, limpeza1;
  7. Não usar repelentes sobre cortes, feridas, pele inflamada ou irritada1.

 

 

3) Crianças e gestantes podem usar estes produtos?

Sim, podem utilizar, observando-se algumas recomendações:

  • Produtos à base de DEET não devem ser usados em crianças menores de 2 anos. Para o uso em crianças entre 2 e 12 anos, a concentração dever ser, no máximo 10%, e a aplicação deve se restringir a 3 vezes por dia. Produtos com concentrações superiores a 10% são permitidos para maiores de 12 anos3;
  • Repelentes à base de Icaridina, com concentração de 25%, podem ser utilizados em crianças a partir de 2 anos de idade. A proteção tem um período de duração de 8 a 10 horas4;
  • O princípio ativo IR 3535, em concentração de 30%, tem seu uso permitido pela Anvisa em crianças acima de 6 meses. A ação repelente tem um período de duração de 4 horas4.
  • Não há contraindicação para o uso de repelentes em gestantes.

 

Leia também: Medicamentos que podem e medicamentos que não podem ser utilizados nos casos de Dengue!

 

4) Com qual intervalo devem ser reaplicados?

Os repelentes de uso tópico possuem princípios ativos sintéticos ou naturais. A sua ação se dá por meio da evaporação do princípio ativo que possui odor repulsivo aos insetos5. Cada princípio ativo possui um período efetivo de ação repelente, que também está relacionado com a sua concentração, sendo que, os de maior concentração possuem tempo mais prolongado de ação6. A reaplicação do produto deverá ser feita, de acordo com cada princípio ativo, observando-se o período efetivo de ação repelente. Segue abaixo a relação dos princípios ativos e seus tempos de ação, em tabela elaborada por Stefani et al (2009)5

 

5) Após o retorno para um ambiente que não tenha mosquitos, devo lavar o corpo para retirar o produto que porventura ainda esteja na pele?

Após retornar para o ambiente, onde não haja mosquitos, deve-se tomar banho para retirar completamente o produto das áreas da pele em que tiver sido aplicado o repelente. Vale destacar que estas áreas deverão ser lavadas com água e sabão. Isso é particularmente importante, principalmente quando o repelente é aplicado diretamente sobre a pele das pessoas ou quando ele é utilizado diariamente.

 

6) Há medicamentos com ação de repelência que possam ser utilizados?

A Vitamina B ou Tiamina não apresenta eficácia comprovada como repelente e esta indicação de uso não é aprovada pela Anvisa7.

 

7) Pode ser utilizado protetor solar concomitantemente com repelente?

Sim, mas com alguns cuidados. Foi observado que a utilização de protetor solar após a aplicação de repelente contendo DEET como princípio ativo aumentou a absorção deste. De modo geral, em relação ao uso de protetor solar e repelente, recomenda-se primeiro a utilização do protetor solar. O protetor solar deve ser aplicado por baixo do repelente cerca de 15 minutos antes8.

 

Fonte: CFF
Foto: Reprodução